CAPA

  Palestina  


A lembrança
daquela viagem

Ainda hoje, como todos os anos, na época do Natal, o Patriarca greco-ortodoxo de Jerusalém, indo para Belém, faz uma parada no lugar onde a Virgem repousou.
Entrevista com Diodoros I

por Gianni Valente


     O Patriarca greco-ortodoxo de Jerusalém, Diodoros I, 74 anos, que dirige a mais numerosa comunidade cristã da Terra Santa, alguns dias atrás foi filmado por algumas grandes redes de televisão internacionais no momento em que indicava com o seu báculo a pedra do repouso, onde segundo a tradição Nossa Senhora teria sentado para um breve descanso, no caminho que a levaria até Belém, pouco antes de nascer Jesus.

     O senhor foi a única autoridade cristã que visitou as escavações arqueológicas da igreja de Katisma. Que particular devoção liga a Igreja Ortodoxa a este lugar?
     DIODOROS I: Como Patriarca de Jerusalém, guardião da antiga tradição da Igreja e chefe do patriarcado ortodoxo de Jerusalém, nós somos responsáveis por todos os mosteiros e lugares santos que encontram a sua raiz na Igreja cristã dos primórdios. As escavações da igreja de Katisma foram executadas com a nossa participação e benção numa terra de propriedade do patriarcado greco-ortodoxo. Na tradição ortodoxa local o lugar do repouso da Virgem Maria era conhecido desde os primeiros séculos, e a sua memória foi conservada até os nossos dias.

lineaR.gif (47 byte) Abertas outras importantes escavações de arqueologia cristã

Paulo em Cesaréia marítima

     Entre os recentes canteiros arqueológicos que se referem à memória cristã, é preciso assinalar as escavações em Cesaréia marítima, que descobriram amplas seções de um complexo arquitetônico que pode ser datado entre o século I e III, correspondentes ao antigo pretório romano.
     Os Atos dos Apóstolos recordam que São Paulo foi conduzido diante do governador romano, no tribunal de Cesaréia, e ali foi colocado numa prisão antes de ser mandado a Roma. O diretor das escavações em Cesaréia, Yosef Porat, explica a 30Dias: "É possível que o tribunal e a prisão onde Paulo foi detido fossem incorporados na seção administrativa do pretório, ainda não escavada. Para descobri-lo, precisaria estender a área das escavações, até agora financiadas pelo governo de Israel, e que foram suspensas no final de outubro por falta de fundos. Para prosseguir, qualquer patrocínio será bem-vindo".

     Há sinais e lembranças do repouso de Maria no caminho de Belém, na tradição litúrgica e no culto mariano da Igreja de Jerusalém?
     DIODOROS I: O episódio que narra o repouso da Virgem Maria sobre a pedra durante a viagem para Belém é mencionado no evangelho apócrifo de Tiago (3, 17) e testemunhos desta tradição são apresentados pelos historiadores da Igreja Eusébio e Simeone Metafraste nos Acta Sanctorum com referência à vida de Santo Teodósio e por Cirilo de Scitopoli.
     A lembrança daquele lugar e daquele episódio ainda está presente na devoção popular?
     DIODOROS I: A Igreja Ortodoxa conserva autenticamente esta tradição através dos séculos até os nossos dias. Todos os anos, na época de Natal, o Patriarca greco- ortodoxo faz uma parada com seu cortejo neste lugar para se repousar durante seu trajeto rumo a Belém para a festa de Natal (cf. revista Nea Sion, págs. 227-238).
     Há algum afresco importante ou pintura que representem o repouso de Maria sobre a pedra?
     DIODOROS I: Daquilo que sabemos não existem ícones ou pinturas específicas que representem o episódio que aconteceu em Katisma.
     Próximo ao lugar de Katisma surge o mosteiro ortodoxo de Santo Elias. Conserva-se ali alguma particular lembrança da devoção de Katisma?
     DIODOROS I: Os monges do vizinho mosteiro ortodoxo do profeta Elias mantém apenas a lembrança do episódio assim como é apresentado na antiga tradição dos historiadores da Igreja dos primórdios e da usança que se tinha ali no período de Natal.
     Agora as escavações foram suspensas. E ainda teria muito para se trabalhar. Seria útil, segundo o senhor, um apoio econômico à continuação das escavações por parte dos cristãos dos outros países?
     DIODOROS I: A Igreja greco-ortodoxa pode aceitar doações de qualquer um que deseje contribuir à restauração deste santo lugar. As doações deveriam ser oferecidas diretamente ao patriarcado ortodoxo para a continuação dos trabalhos recentemente suspensos.

lineaR.gif (47 byte) A DESCOBRIDORA. A palavra de Rina Avner, que dirigiu as escavações da Basílica de Katisma

Um lugar que interessa também aos judeus

Rina Avner, arqueóloga da Autoridade Israelense de Antigüidades, guiou e coordenou a campanha de escavações da Basílica de Katisma

     Quais são os elementos mais interessantes que apareceram nas escavações do sítio de Katisma?
     RINA AVNER: A planta da igreja é formada por um octógono central, e no centro deste está situada uma rocha, ainda hoje levemente elevada em relação ao terreno circunstante cerca de oito centímetros.
     O octágono central é delimitado por dois anéis de colunas, que formam um tipo de corredor no qual provavelmente os peregrinos vagavam quando vinham rezar sobre a rocha do repouso de Maria. Mais externamente há quatro capelas, situadas nos quatro cantos: nordeste, sudeste e noroeste, sudoeste. A abside principal projeta-se na direção este, fora do polígono octagonal. A inteira estrutura era larga 43 metros e o comprimento era de 52 metros. Na última fase das escavações descobrimos que há três níveis de pavimentos com mosaicos. O nível superior apresenta mosaicos geométricos, e numa peça o mosaico representa uma palma. Os mosaicos parecem estilisticamente próximos aos da Mesquita da Rocha, construída pelos muçulmanos no lugar onde se encontrava o antigo templo hebraico de Jerusalém. Estas afinidades poderiam ser indícios de que a igreja de Katisma era usada ainda no primeiro período árabe, e que poderia ter servido como modelo para a construção da Mesquita de Rocha, também esta de planta poligonal.
     A igreja de Katisma era freqüentemente citada nos relatórios de viagem dos peregrinos cristãos. Também do ponto de vista topográfico surge exatamente ao longo do trajeto mais óbvio e prático pelo qual poderia passar uma estrada entre Jerusalém e Belém.
     Agora as escavações foram suspensas. Por falta de dinheiro. Como vocês pretendem prosseguir os trabalhos?
     AVNER: Tivemos de fechar e cobrir o sítio, tanto por ter havido tentativas de furto dos restos encontrados, quanto pela chegada da estação de chuvas. Agora temos em programa algumas reuniões para elaborar um plano para encontrar doações com as quais reabrir as escavações, completar os trabalhos, preservar aquilo que foi encontrado e fazer com que o sítio seja aberto para as visitas dos peregrinos, também em vista do Ano Santo. Pela minha experiência, sei que não são apenas os cristãos que se interessam por este lugar. Durante as escavações, também muitos colonos judeus ortodoxos vieram, e mostraram grande interesse.
     As escavações em Katisma se deram com a colaboração do patriarcado ortodoxo?
     AVNER: O sítio das escavações de Katisma encontra-se num terreno do patriarcado greco-ortodoxo. Trabalhamos com a total colaboração deles, e programaremos juntos também o próximo plano de trabalho. Espero que haja uma colaboração também para encontrar financiamentos. Nós recebemos também uma carta do Ministério Israelense de Turismo, que garantiu o seu apoio.

Organizado por Lorenzo Banchi